Pages

Ads 468x60px

Labels

19 outubro, 2006

"Não quero ir à igreja, mãe..."

ATENÇÃO:
Este post não tem por finalidade difamar a entidade da igreja católica, denegrir a imagem dos cristãos católicos ou que frequentam outras religiões. Respeito muito todas, em suas particularidades.

Quem aqui nunca disse esta frase? Seja pelo desenho animado na TV, aquele filme que raramente passa (e quando passa é lá pelas tantas da madruga, e sua mãe não deixa você assistir por causa da aula de manhã...), um amigo ou uma brincadeira nova, ou o simples fato de querer dormir mais um pouquinho.

"Ah mãããnheee... eu quero dormíí!!!"

Mas, será mesmo necessário se reunir com pessoas que você não conhece, que ficam reparando em suas roupas, seu penteado, sua mancha de creme dental na bochecha, para rezar (ou fazer de conta, e ficar reparando na bunda gostosa da menina 2 bancos à frente ou o tiozinho com o cabelo cheio de caspa logo mais ao seu lado?) um rito preparado que não permite sequer um sinal da cruz fora do script, fora do roteiro?? Não seria melhor ir ao banheiro, ao cantinho do muro lá no quintal, embaixo da cama, e conversar com Deus porque seu coração assim quer, e não um relógio que marca as 11 da manhã de domingo, uma folha cheia de palavras induzidas? O que é, realmente, conversar com Deus? Quando você conversa com seus pais e amigos, você leva uma folhinha quase decorada (pois não muda com o passar dos anos) e age como um robô?

É preciso reavaliar algumas coisas.

O rito católico é, no mínimo, cômico em algumas partes. A parte, que praticamente delimita o meio da missa, chamada de "Dar a paz de Cristo ao próximo" é estranha. Porque algumas pessoas simplesmente parecem ter medo de apertar a mão do colega que está ao seu lado? Sem contar que, com a "revolução" do padre Marcelo Rossi (o respeito pela sua demasiada fé em seu caminho!), ainda tem aquelas partes onde, embalados por um violão, órgão e/ou bateria desregulados, desafinados, despreparados, alguns erguem seus braços ao céu, outros cruzam os seus como se adorar a Deus fosse vergonhoso, impossível.

É preciso repensar, se vale mesmo ir a um espetáculo deste, ou conversar com seu Deus sozinho em seu lar, ou com sua família, em união.

Nenhum comentário:

Postar um comentário