Pages

Ads 468x60px

Labels

30 outubro, 2012

De suicidio - Série Cartas


Escrevo estas que serão minhas ultimas palavras em vida, quero que sejam elas as porta-vozes da minha angústia e desespero quando minha boca silenciar. Estas palavras traçadas no papel com tamanho amargor traduzem um pouco do sentimento de solidão que permeia meu coração, sentimento que transformou-se em sombra do meu ser nos ultimos tempos. Por mais que haja um sem fim de pessoas caminhando nas ruas, se tocando em lençois alugados, enclausuradas em congestionamentos intermináveis, apressadas a fitar seus relógios de pulso, estarão todas elas solitárias, escravas do mal do século com seus sorrisos falsos e agradecimentos desnecessarios. Estou cansado de ser mais um nesta lastimável situação.
Não culpo meus pais que sempre fizeram o impossivel e o inimaginável para, senão me dar tudo que queria, todo o necessário para crescer como homem, como ser humano. Poderiam sim ter sido mais carinhosos, meu pai sempre trabalhando e minha mãe fria demais para me dar atenção, mas cada um de nós sabe da cruz que carrega e por isso não os julgarei. Quando criança e inconsequente eu também poderia ter me comportado mais, ser um filho com boas notas na escola, tive minha parcela de culpa em todo desfecho final. Meus pais me colocaram no mundo, as pernas que fazem meu caminho são as minhas.
Minha esposa que se estivesse viva estaria deitada em meus braços neste momento, como eu a amei. Como ainda amo aquela mulher tão doce, de sorriso fácil e um olhar que facilmente defino como 'um elogio à beleza'. Se existe um Deus que tudo faz e para todos olha, Ele deveria estar ocupado demais quando precisava ter olhado por minha pequena; deixou o câncer devorar seu pulmão, deixou o câncer devorar sua vida, levando consigo grande e importante parte da minha. Deus jamais gostou de mim.
Diante de tantas questões por responder, tantos desejos soprados pelo vento, tanta frieza nas brisas matinais, quero abandonar isso tudo. Não vou me despedir das minhas coisas, não vou ligar para meus pais, não vou chorar pela decisão cometida: dizem que um suicida é fraco, mas o gatilho em minhas mãos certamente pesará uma tonelada e não exitarei em puxá-lo.

27 outubro, 2012

Momentos


A vida é uma coletânea de momentos, os quais têm o poder de levar-nos do céu ao inferno em questão de segundos. Ao longo de nossa existência somos brindados com momentos inesquecíveis, instantes eternizados por sorrisos doces, promessas servidas em pratos, pessoas maravilhosamente belas que tornam nosso caminhar mais agradável: parece que tudo está em seu lugar, em perfeita harmonia. O sol repousa no horizonte completando assim mais um dia de bençãos e glorificações.
Mas em dado momento palavras podem ser proferidas para machucar, e determinadas atitudes inexplicavelmente conseguem minar a alegria dos dias ensolarados. E o encanto das paisagens verdes sede lugar ao árido amarelado de momentos com sorrisos descompromissados, pensamentos distantes demais da realidade que nos permeia. A chama, no entanto,permanece acesa no buscando iluminar a escuridão dos dias; essa chama não se apaga facilmente, mas se enfraquece com esta ventania gelada, com estes momentos turbulentos. A vida é uma coletânea de momentos e os sorrisos cada vez mais escassos denunciam a aparente tristeza nos fatos, a voz que não ecoa como outrora. O silêncio que reflete a dúvida.
É preciso trabalhar o entendimento, talvez aprender o esquecimento. Deixar para trás certos momentos tristes, abandonar na beira do caminho, fora das bagagens a sensação de que a importância que temos pode não ser aquela que imaginamos possuir perante outros olhos. É um trabalho difícil, não é simples enclausurar determinados pensamentos quando eles são tão recorrentes nos infindáveis momentos da vida. É preciso alimentar a chama uma vez mais, a cada dia, pois quero continuar acreditando que isso tudo vale a pena. Espero não ser o único que acredita nisso.

26 outubro, 2012

Porque, pra que


Porque o azul é azul
Porque o lilás é lilás
Por que o sim não é sul
Porque não, não é mais
Porque
Pra que definir o azul
Pra que definir o lilaz
Pra que destinguir sim de sul
Pra que igualar não e mais
Pra que
Será que um dia poderei saber
Porque, pra que, pra que, porque
Porque, pra que
Porque o azul é azul
Porque o lilaz é lilaz
Por que o sim não é sul
Porque não, não é mais
Porque
Pra que
Porque
Raul Seixas

25 outubro, 2012

Artista


A natureza brinca de desenhista, traçando riscos desconexos com a chuva na janela; dois pontos de fuga marcando o horizonte enquanto pingos dançam pelo vidro, movidos pelo vento que busca ser músico ao sacudir velhas folhas secas pela calçada: melodia do universo.

Canto para minha morte



Eu sei que determinada rua que eu já passei
Não tornará a ouvir o som dos meus passos.
Tem uma revista que eu guardo há muitos anos
E que nunca mais eu vou abrir.
Cada vez que eu me despeço de uma pessoa
Pode ser que essa pessoa esteja me vendo pela última vez
A morte, surda, caminha ao meu lado
E eu não sei em que esquina ela vai me beijar
Com que rosto ela virá?
Será que ela vai deixar eu acabar o que eu tenho que fazer?
Ou será que ela vai me pegar no meio do copo de uísque?
Na música que eu deixei para compor amanhã?
Será que ela vai esperar eu apagar o cigarro no cinzeiro?
Virá antes de eu encontrar a mulher, a mulher que me foi destinada,
E que está em algum lugar me esperando
Embora eu ainda não a conheça?
Vou te encontrar vestida de cetim,
Pois em qualquer lugar esperas só por mim
E no teu beijo provar o gosto estranho
Que eu quero e não desejo,mas tenho que encontrar
Vem, mas demore a chegar.
Eu te detesto e amo morte, morte, morte
Que talvez seja o segredo desta vida
Morte, morte, morte que talvez seja o segredo desta vida
Qual será a forma da minha morte?
Uma das tantas coisas que eu não escolhi na vida.
Existem tantas... Um acidente de carro.
O coração que se recusa abater no próximo minuto,
A anestesia mal aplicada,
A vida mal vivida, a ferida mal curada, a dor já envelhecida
O câncer já espalhado e ainda escondido, ou até, quem sabe,
Um escorregão idiota, num dia de sol, a cabeça no meio-fio...
Oh morte, tu que és tão forte,
Que matas o gato, o rato e o homem.
Vista-se com a tua mais bela roupa quando vieres me buscar
Que meu corpo seja cremado e que minhas cinzas alimentem a erva
E que a erva alimente outro homem como eu
Porque eu continuarei neste homem,
Nos meus filhos, na palavra rude
Que eu disse para alguém que não gostava
E até no uísque que eu não terminei de beber aquela noite...
Vou te encontrar vestida de cetim,
Pois em qualquer lugar esperas só por mim
E no teu beijo provar o gosto estranho que eu quero e não desejo,mas tenho que encontrar
Vem, mas demore a chegar.
Eu te detesto e amo morte, morte, morte
Que talvez seja o segredo desta vida
Morte, morte, morte que talvez seja o segredo desta vida

Paulo Coelho/Raul Seixas

Porta


A porta fechada indica o recolhimento, a frieza das paredes mudas, o sol impossibilitado de adentrar para iluminar o ambiente. A porta fechada revela muito além do ranger das dobradiças que não se houve mais, a poeira se acumula por sobre os móveis antigos e o ar velho, um obeso de toneladas que caminha em passos mórbidos, lentamente se locomove de um lado para o outro em círculos infinitos, sem poder sair.

22 outubro, 2012

De despedida a um amigo que esta morrendo - Série Cartas


Lembro quando eramos crianças, jogávamos bola e depois, exaustos, subíamos no pé de jabuticaba para ver o dia se despedir de nós, dando lugar a noite estrelada, enquanto fazíamos planos de papel. Nossas mães preocupadas nos enchiam de sermões quando voltávamos para casa com as roupas imundas, que denunciavam a alegria infantil de mais um dia em vida. Tempo bom quando nossa única preocupação era com a marcação equivocada do gol que não existira, quando nossas notas eram baixas e o medo iminente da surra dos nossos pais... como sinto saudades dessa época. Aprontávamos muito, como se não houvesse o amanhã.
Crescemos, você sempre foi o mais bonito e conversador de nós dois. Como as meninas queriam estar com você e os meninos, queriam ser você. Eu também, mas não o invejava no sentido ruim deste sentimento: o invejava com orgulho, pois a admiração por um amigo de verdade sempre permeou nossa relação. Lembra da Joana, que era louca por você?? Quando vocês namoraram eu fiquei tão feliz que poderia organizar o casamento, a lua-de-mel e tudo mais sozinho só para vê-los bem. Infelizmente ela não soube dar valor ao fantástico rapaz que você era (e sempre foi!) e desistiu de um romance que certamente daria muito certo, vocês teriam filhos lindos... Mas a vida tem dessas coisas, gosta de pregar peças na gente, não é mesmo?
Quando você foi à Europa passar alguns meses estudando percebi ainda mais o valor de uma amizade verdadeira. As cartas que trocávamos, quando o carteiro passava anunciando as correspondências eu logo corria para o portão para ver se havia alguma resposta aos meus escritos; sempre havia!! E eu ficava em êxtase ao lê-las e responder uma a uma, ansioso pelo dia que tomaríamos café novamente fumando daqueles charutos que adorávamos apreciar...


Quarto


Sozinho consigo mesmo, fitando a janela a sua frente ele ouve o silencio que o rodeia. Não há vozes senão as que discutem em sua cabeça, o confundem, o fazem refletir como a vida é louca. E como é preciso ser louco para viver esta vida. Fez um sem-fim de escolhas, caminhou na chuva, chutou pedras na rua, observou o sol se pôr ao fim de um cansativo dia de sorrisos e abraços.
Nada está no lugar, sua sombra se retorce como se a chama de uma vela a projetasse meio errante, meio distorcida como a visão dos fatos. No silêncio quase sepulcral ele olha para dentro de sí e se questiona, se pergunta se tudo valera a pena, se cada passo deixado para trás fora feito de maneira correta. Seus medos, suas virtudes, seus amores, sua vida. Tudo colocado à prova neste momento e ele permanece sozinho, fitando a janela a sua frente.

18 outubro, 2012

De amor - Série Cartas


Amor, hoje me sinto o homem mais feliz do mundo pois a tenho ao meu lado e não posso querer dádiva maior que esta. Acordar ao seu lado, afagando seu rosto enquanto ouço sua respiração mudando lentamente, denunciando que um anjo está a acordar, é magnífico. Embrenhar meus dedos em seus cabelos, sentir sua sedosa e linda pele iluminada pelo sol da manhã são presentes que Deus bondosamente me concede todos os dias. Hoje sou convicto que minha vida sem você inexiste, já não consigo formular essa realidade em minha cabeça, nem tampouco naquela casa quente e aconchegante onde você reside absoluta: meu coração.
Seus olhos meigos na minha direção, seu sorriso na minha memória a embalar meus suspiros apaixonados quando distantes estamos... Momentos eternizados pelo amor que nos rodeia. Seu abraço, sua voz, seus lábios molhados, amo cada milímetro e segundo de você, minha princesinha linda. Pareço estar vivendo um sonho de amor, um filme parisiense em que a protagonista, a musa encantadoramente bela é você.
Amor, sinto-me na obrigação de devolver-lhe tamanha felicidade e assim o farei até o fim dos meus dias pois eles serão ao seu lado. Porque você me amou de tal forma que és agora parte constante do meu ser, somos um só indissolúvel, dividimos alegrias, tristezas, dividimos uma história tão bela em inúmeras páginas escritas com fios de ouro. Há tanto mais para traçarmos nestas páginas, teremos todo tempo do mundo.
Amo você, verdadeiramente.

Amapola



De amor en los hierros de tu reja,
de amor esucho la triste queja,
de amor lejos de mi corazón,
diciéndome así, con su dulce canción:

Amapola, lindísima Amapola,
Será siempre mi alma tuya, sola.
Yo te quiero, amada niña mía,
igual que ama la flor la luz del día.

Amapola, lindísima Amapola,
no seas tan ingrata y ámame.
Amapola, Amapola,
¿cómo puedes tu vivir tan sola?

Al ver en los hierros de tu reja,
de amor el albacín de tu queja,
amor que mi amante corazón
el rojo olvidar una dulce ilusión.

16 outubro, 2012

Carta de 15 anos

Têxto retirado de uma colaboração minha, a uma moça que há 3 anos fazia 15 anos e precisava de um discurso para dizer a seus pais em sua missa de aniversário. O têxto abaixo o redigi de improviso, e foi escolhido como o melhor na ocasião. Onde está PAI e MÃE, coloca-se os respectivos nomes.



"15 anos, não daria para reduzir em um breve discurso minha felicidade por ter PAI e MÃE como meus pais, meus guardiões eternos e protetores incondicionais. Desde meu primeiro choro assustado até hoje, no embaraço para dizer essas palavras sinceras e agradecidas, tudo o que sou, faço, penso é porque meus pais, com a compreensão e sabedoria que só eles possuem, me apontam direçoes neste vale de caminhos tortuosos -porém belos- chamado vida.
PAI, MÃE, obrigado por vocês serem tudo aquilo que eu sempre quis e muito além do que eu poderia esperar. Sem vocês, meus fieis protetores, essa batalha não teria sentido. Com vocês eu sei e posso entender o que é o verdadeiro amor."

Fonte: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090925044322AAnliNN

Neblina


Eu queria muito poder dizer aos quatro cantos do mundo o quanto te amo. Queria poder dedicar-lhe poesias, deixar meus olhos contarem a todos o quanto sou feliz ao seu lado, o quanto quero -e vou- te fazer a mulher mais feliz do mundo, como você merece, contar aos passaros quem é aquela que está presente no meu pensamento desde o primeiro minuto do dia, que esteve até pouco tempo atrás visitando meus sonhos com seu sorriso lindo. E estará comigo até o momento dos meus olhos se fecharem.
Me encheria de orgulho e convicção poder caminhar ao seu lado de mãos dadas com a certeza que a magia que nos rodeia é verdadeira, abraça-la na rua sem me importar com o que outros podem vir a pensar, dizer, querer. Sentar em um café ao seu lado, bebericar algo em meio a risos e conversas descompromissadas sem o receio de que alguem possa julgar errado nosso amor. Nosso amor, algo que me causa tremenda comoção pela beleza com que este carvalho genuíno cresce com os dias, mas que me entristece tantas e tantas vezes pela neblina que parece precisar existir, para nos esconder dos olhos do mundo. Quase criminoso, quase inverídico, incerto. Com data de validade.
Apresenta-la como a mulher que reside em meu peito, saber desta convicção reportada por você aos seus, seria fantástico. O mundo é cruel, as pessoas nem sempre carregam em seus alforjes a bondade esperada e muitas vezes as flechas disparadas carregam mesquinharias e inveja, mas e a vida que decidimos levar? E as nossas escolhas? E os desejos, objetivos traçados, precisam mesmo ser ocultados por uma neblina densa, dificilmente explicada como 'ato de se reservar'?? As declarações quase sagradas até então colocadas na mesa neste momento parecem não possuir senão o peso de uma folha de papel que uma brisa fraca carrega.
Viver é acreditar no seu caminho e continuar caminhando. A água percorre seus caminhos sem se importar com a deficiência do terreno, o vento percorre um sem-fim de locais, esbarra em obstáculos -porque a vida e os lugares são sempre cheios deles- e percorre sua lenda. Caminhamos, nos escondemos, ocultamos algo tão belo que, por tanto se ocultar, acaba por se desgastar, ao ponto do coração perguntar se vale a pena prosseguir neste caminho tão camuflado, inexplicavelmente retraído e subjugado nas sombras da vida.
Entristece, machuca, enfraquece nossas forças. Quem dera poder dissipar esta neblina, ter forças suficiente para isso pois já não sei se sou capaz disso. Sozinho não.
O fogo queima, arde, ilumina tudo ao redor, mas a vela só permanece acesa quando livre para queimar. Quando enclausurada em uma caixa escura, não resiste ao tempo e termina por extinguir o calor tão bom que antes havia.


15 outubro, 2012

Para a mulher que amo verdadeiramente

Quando sinto o calor do seu corpo num abraço meu coração se enche de carinho, meus braços procuram sufocar a saudade te trazendo pra bem pertinho de mim, como se pudesse nunca mais soltá-la, ficar nesse momento mágico por toda eternidade. Nossos olhos se cruzam, nossos lábios se procuram, se desejam. E se encontram, no romance que permeia tudo ao nosso redor.


Quando toco suas mãos e elas apertam as minhas é o momento mais feliz até então. Nestes pequenos, porém importantes momentos, entendo o quanto você me faz bem, o quanto você está presente em cada milésimo de felicidade do meu dia. E sinto que preciso te fazer feliz, te demonstrar como o amor verdadeiro pode revolucionar vidas e por mais que hajam pedras no nosso caminho, quero encará-las e junto a tí e transpor uma a uma.

Tenha uma semana maravilhosa, mulher da minha vida, que eu amo com todas as minhas forças. Jamais duvide disso.

Um milhão de beijos carinhosos.

13 outubro, 2012

Céu


As nuvens são a alma do céu. O céu nebuloso na tentativa de ocultar a lua cheia, privando desta forma todos nós da luminosidade desta solitária dos milênios, é um prenúncio de que suas lágrimas doces de chuva não tardarão a cair pelo horizonte. Desta tristeza sem fim, que se arrasta tornando minutos em horas e horas em séculos, destes dias de solidão, expectativas frustradas e céus nebulosos, as naus se revelam perdidas por trás dos desejos inexplicavelmente e friamente calados, submergindo elas num balé de dor e lamentações.

12 outubro, 2012

Momentos


Um guerreiro da luz nota que certos momentos se repetem.
Com frequencia se vê diante dos mesmos problemas e situações que já havia enfrentado.
Então fica deprimido. Começa a pensar que é incapaz de progredir na vida, já que os momentos difíceis estão de volta.
"Já passei por isso", ele reclama com seu coração.
"Realmente, você já passou", responde o coração. "Mas nunca ultrapassou".
O guerreiro então compreende que as experiências repetidas têm uma única finalidade: ensinar-lhe o que ainda não aprendeu.
Ele passa a procurar uma solução diferente para cada luta repetida - até que encontra a maneira de vencê-la.
Paulo Coelho

Consciência confidente


"A consciência é a mais fiel das confidentes. Tudo ouve, nada esquece e está sempre a nos lembrar o que é impossível esconder-lhe."
(Silvino Olavo)

Do respeito que não parece existir


"A língua nobre, tece o respeito."
(Chico Xavier)

09 outubro, 2012

Uma outra estação


Sei que não tenho a força que tens
Se me vejo feliz quase sempre exijo um talvez
Ela mora perto de um vulcão
E meu coração suburbano espera riquezas maiores
Eu sigo o calendário maia
E sou descendente dos astecas
Hoje vai ter prova
Mas no final da aula
Acho que tem futebol

Gosto quando estou feliz
Gosto quando sorris para mim
Estou longe, longe
Estou em outra estação
Não me digam como devo ser
Gosto do jeito que sou
Quem insiste em julgar os outros
Sempre tem alguma coisa p'ra esconder
Teu corpo alimenta meu espírito
Teu espírito alegra minha mente
Tua mente descansa meu corpo
Teu corpo aceita o meu como a um irmão
Longe longe, estou em outra estação
Todos fazem promessas demais
Temos muito o que aprender
É um feitiço tão latino
Essa preguiça ser feitiço
Mas tudo bem
Voltarás na terça-feira
És fogo e gelo ao mesmo tempo
E vai ser bom
Do Equador, da Venezuela, do Uruguai
Teremos o fim-de-semana só p'ra nós
Venha comigo
Não tenha medo
Tem muita gente
Que pensa o mesmo
Estou longe, longe
Estou em outra estação.
Estou longe, longe.

08 outubro, 2012

Proferido e absoluto



A vida segue em ciclos, o vento que lambe meu rosto hoje certamente já o fez em outras oportunidades assim como o que já me ocorreu em determinados momentos, minha vida, meu destino parecem buscar resgatar tais experiências para serem vivenciadas amargamente uma vez mais. O que há de errado comigo? O que fiz para receber dos meus dias tamanho desprezo e da minha sorte, tal gargalhada cruel por me observar atônito, perplexo vendo este filme passar diante dos meus olhos? As vezes duvido de tudo, acredito que não mereço nada de verdadeiramente bom e leal para ter comigo, tal qual um pé-de-coelho em meu bolso. O errado deve ser eu, o erro talvez eu tenha cometido. Ser bom demais.
Palavras não servem, a água percorre seu caminho tortuoso sem se importar com o que há pela frente: ela simplesmente vai. E com ela carrega minha crença em pessoas que merecem nossa fiel confiança. Porque a mentira? Porque a desilusão? Não há mel suficiente no pote abaixo do arco-iris? O pólen das flores deve ser mais apetitoso. A flecha disparada jamais retorna ao arco sem ferir alguém, sem ferir ao menos o ar enquanto pratica ela o seu balé modernista de encontro ao seu alvo. A palavra proferida ainda que não possua a real intenção já dispersou no universo sua energia, já manchou com tinta as letras dedicadas ao olhar alheio.

Tudo


Quando a luz parecia distante, quando o abismo parecia destino certo você me estendeu a mão. Acordo todos os dias feliz por tê-la ao meu lado, guardada dentro do meu peito, caminhando livre em minha memória só para me recordar uma vez mais que o amor existe. Você, somente você, conseguiu derreter o gelo que congelava meu coração.
E eu te amo tanto! =)

07 outubro, 2012

Trocas


A vida é uma eterna troca, é estar constantemente em débito com alguém ou algo, consigo mesmo. Não se pode esperar mais quando se dá menos, não podemos dar menos quando recebemos mais.
Troca-se de roupa, de casa, de carro, de bolsa, de sapato, de atitudes. Nas trocas da vida ficamos as vezes com a sensação de débito perante os demais; então a tristeza nos abate e passamos a questionar o real valor percebido por aquilo que doamos de tão bom grado e tanto e tanto, tantas vezes. E a fonte, que antes jorrava gozo viril não mais é agora sequer uma bica rala de fundo de quintal.
Trocamos de amigos, trocamos de amores, trocamos de time, trocamos de hábitos, trocamos de emprego, trocamos de igreja, trocamos de cheiro e sabor.

"...Seu olhar não conta mais histórias, não brota o fruto e nem a flor. E nem o céu é belo e prateado, e o que eu era eu não sou mais e não tenho nada pra lembrar..."
Renato Russo