Pages

Ads 468x60px

Labels

31 maio, 2007

Mensagem



"Quando você
conseguir superar graves problemas de relacionamento, não se detenha na
lembrança dos momentos difíceis, mas na alegria de haver atravessado
mais esta prova em sua vida. Quando sair de um longo tratamento de
saúde, não pense no sofrimento que foi necessário enfrentar, mas na
bênção de Deus que permitiu a cura.
Leve na sua memória, para o
resto da vida, as coisas boas que surgiram nas dificuldades. Elas serão
uma prova de sua capacidade, e lhe darão confiança diante de qualquer
obstáculo."


Alma do Mundo, para Chico Xavier

26 maio, 2007

Wieder

O Trovador encontra-se novamente isolado em sua torre. Distante de tudo, longe de todos, vagando entre pensamentos dissonantes, arrodeado de tantas cabeças pensantes, pensamentos de um primata.


13 maio, 2007

Você não é meu filho!

Hoje é dia das mães... Mas, e daí?
Este, pra mim, é um dia que não carrega consigo alguma vibração positiva, nem tampouco brota o sorriso em meu rosto pálido ao lembrar daquela que me colocou por estes lados.
O que é ser mãe, afinal?? Ser mãe é trazer ao mundo uma vida inocente e fazer com que seus pezinhos, tão frágeis, congelem-se nas noites ao relento em busca de míseros trocados? Ser mãe é negligenciar 5 filhos como se estes nunca tivessem existido?? Creio que ser mãe não tem nada com embrulhar crianças em sacos de lixo e jogá-los em lagos, terrenos baldios.
É papel de uma mãe deformar a mão de seu filho recém-nascido a pauladas dado ao motivo que 'ele não queria calar a boca'?!?!?! Abrir as pernas é tão gostoso, não é mesmo??? Mas a criança que virá depois de alguns meses tem culpa disso tudo?
Há tantos pequeninos que moram em abrigos, esperando por um pouco de afeição, por suas mães não existirem. Sim, uso o termo 'não existirem' pois, 'fazer' um filho e não se importar com ele é 'existir' para uma criança??
"Você não é meu filho, é como se fosse uma visita dentro desta casa!!"

Música de trabalho - A Tempestade, ou O Livro dos Dias

Composição: Renato Russo

Sem trabalho eu não sou nada
Não tenho dignidade
Não sinto o meu valor
Não tenho identidade
Mas o que eu tenho
É só um emprego
E um salário miserável
Eu tenho o meu ofício
Que me cansa de verdade
Tem gente que não tem nada
E outros que tem mais do que precisam
Tem gente que não quer saber de trabalhar
Mas quando chega o fim do dia
Eu só penso em descansar
E voltar p'rá casa pros teus braços
Quem sabe esquecer um pouco
De todo o meu cansaço
Nossa vida não é boa
E nem podemos reclamar
Sei que existe injustiça
Eu sei o que acontece
Tenho medo da polícia
Eu sei o que acontece
Se você não segue as ordens
Se você não obedece
E não suporta o sofrimento
Está destinado a miséria

Mas isso eu não aceito
Eu sei o que acontece
Mas isso eu não aceito
Eu sei o que acontece
E quando chega o fim do dia
Eu só penso em descansar
E voltar p'rá casa pros teus braços
Quem sabe esquecer um pouco
Do pouco que não temos
Quem sabe esquecer um pouco
De tudo que não sabemos

03 maio, 2007

3 meses

3 meses de história; isso renderia um livro em minhas mãos...
Engraçado o fogo que nasceu dentro da mais completa escuridão hoje, e a cada dia que se passa, cada instante que transcorre, crescer de maneira armoniosa, serena, quase sagrada. Eu, que já não via mais o colorido da aurora; ela, desapegando-se do sentido da vida. Algumas palavras em um blog e a paixão iminente, arrebatadora, o 'querer ver, necessidade de tocar' fez-se presente, culminando no chamado de 'tomamos uma cerveja?'.
Houveram desentendimentos, discussões? Lógico (!), qual relacionamento -não citaremos os amores perfeitos e inabaláveis de Roberto Carlos- não os têm?? Mas, a medida que o tempo passou, o conhecimento do outro tornou-se mais claro e a névoa cinza do desconhecimento deixou espaço para a luz da revelação, meu carinho por esta pessoa maravilhosa só fez aumentar!! Tantos planos, tanta cumplicidade, quanto respeito e carinho... nada foi em vão, nada é demais ou de menos; está tudo religiosamente em seu lugar, onde e como deveria estar.
3 meses de história... e um amor inexplicável, o desejo de querer, quando necessário, dar da própria boca para saciar a fome dela, enfrentar gélidos ventos de outono enquanto ela, tão linda, se aquece sob meu casaco; fazer do impossível algo rotineiro para o seu belo sorriso sempre poder ver.
Agradeço a deus por ter colocado este anjo em meu caminho. Um anjo que eu amo, respeito, admiro e, hoje, tão longe está de mim. Mas, amor, eu volto logo.
Muitos beijos. Te amo.

02 maio, 2007

Se eu...

Se eu soubesse que a chuva cairia
não teria molhado meus cabelos;
se eu soubesse que o vento levaria tudo para longe
não teria oferecido resistência;
se eu soubesse que as letras libertam
eu não teria feito companhia às folhas caídas no outono.
Se eu acreditasse mais em Deus
talvez meu caminho fosse mais rico em luz;
se eu acreditasse somente na derrota
certamente não digitaria estas palavras...
se eu acreditasse no espelho
possivelmente sorriria muito mais;
se eu acreditasse em mim, mas não tanto quanto acredito hoje
os projetos não teriam saido do papel;
se eu acreditasse mais nos outros
não daria o próximo passo.
(e, não dando o próximo passo, não caminharia.)