Pages

Ads 468x60px

Labels

28 agosto, 2009

No ponto de onibus




No onibus a caminho do serviço, às 6:25 da manhã, enquanto saboreava o melhor da música erudita nas ondas da 'Brasília Super Radio FM, 89,9Mhz' me deparei com algo que já vivenciei na pele, agora do lado de fora do onibus: dormindo em um ponto de onibus, todo encolhido pelos 15º que fazia neste horario, um homem sem muita roupa.
Lembrei de imediato as casas em construção que tantas e tantas vezes foram meus abrigos, os 'quartinhos' de fazer xixi do lado de fora de muitas casas foi meu dormitorio tantas e tantas vezes. Em momentos fui acordado aos ponta-pés por policiais inescrupulosos que batem antes de perguntar. Em outros fui vitima do frio paranaense implacável que beirava os 5º pela madrugada; caminhava pelo asfalto pouco iluminado da BR que corta a frente de Castro, a pequena cidade onde morei quando isto tudo aconteceu.
Pode-se dizer, sem exageros, que Castro me proporcionou os melhores e piores momentos da minha vida. Sim, pois nesta cidadezinha que parece ter parado no tempo conheci as trevas e saí -quase- ileso disso tudo. Conheci a maldade nas ruas sangrentas e nos olhos de uma 'mãe' que só fazia me humilhar, como se eu não tivesse desbravado o meio de suas pernas ao encontro da luz como fizeram seus outros 6, depois de nós 6 (sim, tenho 11 irmãos por parte de mãe e pai, mais 6 por parte apenas de pai.). Conheci o respeito verdadeiro pelas palavras confortantes de profª Suzanne, do colégio Cavannis, de Charton Stella, das aulas de jardinagem e também dos ensinamentos de vida. Luciano Christoforo, psicologo que acompanhava minhas neuras adolescentes, Lea e Suzana, psicologa e ass. social que me deram suporte enquanto no abrigo para menores estive por quase 4 anos. E outros mais e poucos que me ajudaram a não acabar minha história prematuramente.
Pois bem; olhei aquela cena do homem encolhido e praticamente revi meus momentos de angustia quando, fedido e com feridas purulentas por mais de semanas sem um banho e magro por tempos e tempos sem uma refeição correta e balanceada. Me senti contente por estar melhor nos dias de hoje.
Faço um pedido a você, caro leitor, para que ao verificar um mendigo nas ruas encolhido com frio, não o maltrate, não o olhe com desprezo. Passei por isso, sei o quanto dói ser olhado com nojo, olhares inquisidores e reprovativos. Aquele mendigo que hoje dorme nas calçadas amanhã, quem sabe, pode ser o homem que assinará seu contracheque, que educará seus filhos na escola, que apontará uma revolver carregado contra sua cabeça e não exitará apertar o gatilho.
Pense nisso.

17 agosto, 2009

Don't leave me now - Pink Floyd




Oooh babe
Don't leave me now.
Don't say it's the end of the road.
Remember the flowers I sent.
I need you, babe
To put through the shredder
In front of my friends
Oooh Babe.
Don't leave me now.
How could you go?
When you know how I need you
To beat to a pulp on a Saturday night
Oooh babe,
Don't leave me now.
How can you treat me this way?
Running away.
Oooh babe,
Why are you running away?
Oooooh babe!