Pages

Ads 468x60px

Labels

19 setembro, 2011

Somos nós


Estamos morrendo, dia após dia; nada que façamos poderá reverter este placar injusto.
Nossos galhos são jovens, ainda somos frágeis e indefesos diante das tormentas. Mas somos jovens, e todos os jovens são dotados de uma coragem que parece armadura diante dos perigos impostos pela vida. Mesmo que a ventania teime em nos derrubar, vamos deitar de lado, tirar um cochilo e em poucos instantes estaremos em pé novamente. Mais fortes, mais resistentes. Menos jovens. Menos vivos.
Nossos galhos estão maduros, somos capazes de gerar frutos agora. Uns bons, outros ruins, mas todos ainda são frutos e não conseguem se lançar muito longe de nossos galhos maduros. Nossas folhas brincam de ciranda com a brisa de fim de tarde, nossa frondosa magnitude é percebida à distancia enquanto nos despedimos do sol uma vez mais. A noite cai e com ela a certeza que estamos ainda mais maduros. Menos jovens. Menos vivos.
Nossos galhos estão quebradiços, não suportam mais o velho balanço das crianças. Estamos frageis, enrugados, nossas frutas estão escassas e outros de nós já podemos perceber ao redor de nós: são crias nossas, gerados das sementes dos nossos frutos quando ainda jovens. Estes são jovens, frágeis e indefesos, assim como nós agora. A noite cai, um novo dia nasce mas o sol não retorna como outrora; estamos agora pequenos, jovens, indefesos, frágeis.

Mais nada


Dos seus olhos percebo surgir uma brilhante luz, que ilumina meus passos enquanto sua doce voz indica a direção certa. Sua sedosa pele me faz crer que Deus foi perfeito em conceber criatura tão bela; seus cabelos, bobos ciumentos ajudados pela brisa gélida da manhã, buscam esconder seus traços que me fizeram ser dono de tamanho carinho por ti.
Busco-te pelas esquinas, vagueio pelas ruas, indago seu nome a estranhos; a encontro fazendo morada em meu coração. Dificil disfarçar, impossivel te esquecer. Tão óbvio te querer, perfeito por você me apaixonar. Te quero em meus braços, minha princesinha linda.

13 setembro, 2011

Seus olhos (caminho)


Então a vi pela primeira vez. Era timidamente bela, me olhou com olhos apreensivos e sorriu. As poucas palavras que gentilmente trocamos insistiram em fazer moradia na minha mente, tão logo a deixei em campo de combate para o debute por ela tanto esperado.
Precisava encontrar meu caminho em meio às linhas de frente, precisava perceber o momento correto para uma apresentação digna das minhas expectativas; nunca fui realmente bom quando em terreno desconhecido e, afinal, o combate sempre reserva inumeras surpresas durante a batalha.
Então a vi pela segunda vez. Era timidamente bela, me olhou com olhos apreensivos e sorriu.