Pages

Ads 468x60px

Labels

27 julho, 2009

When we are enough for anyone?





Quando somos suficientemente bons para os outros? Por quanto mais tempo teremos que quebrar nossos próprios recordes, superar nossas limitações, abrir mãos de nossas asas para outros poderem voar? Lutar, lutar, e sempre ficar a sensação de perder, perder.
Nunca seremos bons o bastante para quem está ao nosso redor? Seremos fadados a sorrisos falsos, palavras hipócritas e olhares inquisidores mesmo quando damos o melhor de nós mesmos? Será que nada mudará em nossas vidas?

24 julho, 2009

Incoerências II




Preste atenção a tudo o você faz; não permita ser enganado pelas suas ações, não deixe a vida te engolir por inteiro. Acorde bem cedo, alimente-se bem, aceite a condição de alguém (mais um, na realidade) que no final irá morrer também.
Acabe seus escritos, resolva as equações que estão por resolver, abrace pessoas que você nem conhece, ainda que te achem louco. A nossa loucura nada mais é que a incapacidade dos outros terem as mesmas atitudes que temos. Permita-se sorrir um pouco mais. Permita-se -realmente- viver a vida como deveria ser nos roteiros e nas convenções.


Ps.: Imagem http://i.olhares.com

22 julho, 2009

Incoerências




Num primeiro instante seu olhar entorpecido parecia ainda mais belo que de costume. Aqueles lábios rosados, vivos, suculentos em uma boca que balbuciava algumas sílabas disconexas... uma visão do paraíso. A pele macia, alva, seus pelos loiros ouriçados pela leve brisa que lambia seu corpo nú, meus olhos observando cada instante da agonia muda deste ser tão belo.
Aos poucos a razão veio e com ela, como se chegasse de carruagem, um medo quase mortal. Suas pupilas pareciam dois grandes buracos de perdição onde qualquer um poderia se perder sem querer se achar. Surgiu o primeiro berro seco que ecoou por todo cômodo, ricocheteando pelas paredes antes de adentrar em minh'alma.
As palavras ásperas me excitavam a cada instante mais e mais. As perguntas sobre o motivo daquilo tudo eram muitas, e por assim serem soavam repetitivas, desnecessárias, inoportunas. Os pedidos de anistia surgiam de igual maneira e, se não me falha a memória, percebí uma gota lacrimal escorrer em seu belo rosto de porcelana chinesa quando seus olhos fitaram o reflexo da minha faca em suas pernas. Eu apenas sorri.
Me aproximei daquela obra magnífica de um deus que a tudo vê e acariciei seus cabelos lisos com a ternura de uma mãe que consola seu filho que perdera seu barquinho de papel na enchurrada. Lábios finos se tocavam em movimentos frenéticos; medo, frio, desespero. Alcancei seus seios, nem pequenos nem grandes, nem moles nem duros, jovens. Ergui meu punhal e iniciei alguns riscos pelos seus braços, enquanto a ouvia berrar desesperadamente. As linhas díspares tingiam a sedosa pele com uma cor escarlate, um vermelho cor-de-vida! Vida que começa a acenar para nós dizendo adeus desde o primeiro momento em que dizemos nada além de choros convulsivos, presos por um cordão imundo a outro ser que, pela regra, tem nosso domínio. Pressionei o punhal com maior precisão e encontrei um material rígido meio acinzentado, banhado em líquido quente e espesso. Pensei que ficaria surdo pois minha querida linda quase ficava afônica devido aos seus gritos desesperados.
Tracei uma linha reta em conformidade com a linha do seu umbigp e enfiei minha arma. O sangue escorria como catarata daquele enorme ferimento então beijei-a como jamais beijara alguém ou algo em minha pobre existência. O doce-amargo do sangue em sua boca e a sensação única das lágrimas a enxarcar seu rosto era explendoroso. Neste momento minha querida dava sinais de fraqueza e por alguns instantes eu perdí sua pulsação e a respiração que antes era ofegante, desritimada, era então inexistente. Abracei seu corpo ainda quente, embora imóvel, inanimado, e chorei. Limpei com a língua os vestigios de sangue residentes em seu rosto, deixando-a com a mesma beleza de quando a encontrei pela primeira vez, no colégio primário, onde costumávamos brincar de pega-pega todos os dias. Então olhei para ela uma última vez mais e parti.


*Imagem retirada do link http://jaeh.wordpress.com/2007/05/20/como-design-tudo-fica-mais-divertido/