Pages

Ads 468x60px

Labels

23 julho, 2007

Muito obrigado

Muito obrigado a você que prestigia meu espaço de idéias, espaço de pensamentos deste primata. São 2027 visitas únicas, sem banners, sem patrocínios, sem alardes... apenas no 'boca-boca'. Agradeço a você que lê meu blog com freqüência da mesma maneira que reverencio você, caro (a) amigo (a), que me visita de vez em quando pois é o carinho de vocês que me faz escrever mais e mais. Os comentários de cada um são fundamentais para a continuidade fiel deste trabalho limpo, sem grandes aspirações, sem firulas, sem frescuras.

Obrigado por me visitar sempre. Comente, escreva, reclame, elogie, sua vontade é muito importante para mim.

Abraço a todos!!

Homenagem de Renato Russo a Cazuza (com tradução)

Homenagem de Renato Russo a Cazuza, narrando o sexo oral.


Feedback Song for a Dying Friend

Legião Urbana

Composição: Dado Villa-Lobos / Renato Russo / Marcelo Bonfá

Soothe the young man's sweating forehead
Touch the naked stem held hidden there
Safe in such dark hayseed wired nest
Then his light brown eyes are quick
Once touch is what he thought was grip

Tis not his hands those there but mine
And safe,my hands do seek to gain
All knowledge of my master's manly rain
The scented taste that stills my tongue
Is wrong that is set but not undone

His fiery eyes can slash my savage skin

And force all seriousness away

He wades in close waters
Deep sleep alters his senses
I must obey my only rival

He will command our twin revival
The same insane sustain again
(The two of us so close to our own hearts)
I silence and wrote
This is awe
Of the coincidence


Canção de retorno a um amigo que está morrendo
(Traduzido por Millôr Fernandes)

Alisa a testa suada do rapaz
Toca o talo nú ali escondido
Protegido nesse ninho farpado sombrio da semente
Então seus olhos castanhos ficam vivos
Antes afago pensava ele era domínio
Essas aí não são suas mãos são as minhas
E seguras. Minhas mãos buscam se impor
Todo conhecimento do jorro viril do meu senhor
O gosto perfumado que retém minha língua
É engano instalado e não desfeito
Seus olhos 'chispantes' podem retalhar minha pele bárbara!
Força toda gravidade ir embora.
Ele vadeia em águas fechadas
Sono profundo altera meus sentidos
A meu único rival eu devo obedecer
Vai comandar nosso duplo renascer
O mesmo
Insano
Sustenta
Outra vez
(Os dois juntos junto de nossos próprios corações)
Calei e escrevi
Isto em reverência
Pela coincidência.



1965 (Duas Tribos)

_____________________________________________



1965 (Duas Tribos)

Legião Urbana

Composição: Dado Vila-Lobos/Renato Russo/Marcelo Bonfá

Vou passar
Quero ver
Volta aqui
Vem você
Como foi
Nem sentiu
Se era falso
Ou fevereiro
Temos paz
Temos tempo
Chegou a hora
E agora é aqui.

Cortaram meus braços
Cortaram minhas mãos
Cortaram minhas pernas
Num dia de verão
Num dia de verão
Num dia de verão
Podia ser meu pai
Podia ser meu irmão
Não se esqueça
Temos sorte
E agora é aqui

Quando querem transformar
Dignidade em doença
Quando querem transformar
Inteligência em traição
Quando querem transformar
Estupidez em recompensa
Quando querem transformar
Esperança em maldição:
É o bem contra o mal
E você de que lado está?
Estou do lado do bem
E você de que lado está?
Estou do lado do bem.
Com a luz e com os anjos.

Mataram um menino
Tinha arma de verdade
Tinha arma nenhuma
Tinha arma de brinquedo

Eu tenho autorama
Eu tenho Hanna-Barbera
Eu tenho pêra, uva e maçã
Eu tenho Guanabara
E modelos revell



O Brasil é o país do futuro
O Brasil é o país do futuro
O Brasil é o país do futuro
O Brasil é o país...

Em toda e qualquer situação
Eu quero tudo pra cima!!
Pra cima!!!





_____________________________________________
"Urbana Legio Omnia Vincit"

18 julho, 2007

Uma estrada, vários caminhos (ou, 20 anos de idade)

Durante toda a minha vida fui obrigado a fazer escolhas, algo natural a todo ser humano. E em meio a tortuosa -mas gratificante- estrada que há muito sente o peso dos meus trôpegos passos houveram muitos caminhos distintos e assim será por toda a minha existência; durante este tempo coube a mim escolher quais vales desbravar, quantas pontes construir, tantos muros e muralhas levantar. Não me arrependo mais do que sou orgulhoso pelas chagas que carrego em mim, estas que são a prova de tudo o que passei, mestres dedicadas que me ensinaram mesmo quando nada eu queria aprender. Estas marcas fizeram de mim o que sou hoje, são a prova irrefutável de que as pessoas podem, sim, conseguir seu lugar ao sol.
Pelos inúmeros caminhos que tracei esbarrei com a mais variada sorte de pessoas; algumas as carego comigo para todo o sempre, outras habitam a casa do ontem -onde não podemos visitar nem em sonhos... Dos escombros do passado construí meus mais altos edifícios que, em momento algum, me levaram para mais perto de qualquer deus que dizem existir; nas químicas e navalhas me perdí... mas me encontrei.
Sou o que sou por caminhar em uma estrada, conhecendo vários caminhos.

11 julho, 2007

Câncer - 11/07/07

Descontração e tempo pra soltar a imaginação são os toques mais importantes dos astros pra você hoje. Com Mercúrio retomando movimento direto, os assuntos relacionados a sua saúde ficam em destaque por alguns dias. É que o nevoeiro está baixando. A clareza retorna. Amores esperam.
_______________
Vou dormir...

09 julho, 2007

FDP³ - Gabriel Pensador

Os filha da puta vivem arrumando desculpa
E motivos pra te pegar te usar e depois te desprezar
Te tomam tudo, a vida, a grana e a alma
E ainda querem que você tenha calma
Por isso eu vou falar (pode falar)
Vou contar (pode contar)
Sobre os filha da puta que só querem te roubar
Fundam uma igreja ora veja onde já se viu
Enriquecer com a fé alheia (puta-que-pariu)
E é inútil tentarmos abrir os olhos do povo
Pois se um abre os olhos mil olhos fecham de novo
E eles dizem que você está com o demônio
Mas o demônio habita no seu patrimônio
E eles farão o "favor" de tomar toda sua grana
Porque a grana pra eles é uma coisa profana
Só que aí o demônio vai parar com quem?
No bolso do filha da puta que fica rico dizendo amém

Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da...

E tem outra raça de filha de puta que é uma desgraça
Eles se acham os predadores e você a caça
Com um uniforme padrão, uma bota preta
Um cassetete na mão, na outra uma escopeta
Eles invadem uma casa onde uma família luta
Pra sobreviver (Pode crer, filha da puta!)
Eles te humilham, te matam, te caçam por prazer
E dizem ser o dever, mas é difícil entender
Por que pra eles qualquer um é um marginal
Logicamente com seus parentes não será igual
Porque eles julgam as pessoas pela cor
Procuram causar a dor
Procuram causar terror
Mas nós não vamos ficar aqui abobalhados fugindo da luta
Vamos mandar tomar no cú esses filhas da puta

Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da...

Filha da puta, escuta o que eu vou te dizer
Você está no poder agora mas um dia vai se fuder
Você está numa boa rindo a toa cheio de graça
Mas todos nós ainda vamos ver a sua desgraça
Você se esconde em Brasília essa ilha cercada de filha da puta
De político fajuto me escuta seu puto
Aprovando leis só para vocês e sua cambada
Arranjando obras superfaturadas
Eles te exploram te chupam o sangue
Só pensam no lucro da sua gangue
Então escuta, pensa e responda a pergunta:
- Todo político é um filha da puta?

Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da...

E tem outra espécie
De filha da puta que me emputece
É o pai desnaturado machão frustrado que se esquece
De que o tempo das cavernas já passou
E bate na família quando não devia nem bater com uma flor
Na mulher nas crianças mostrando toda a autoridade
De um homem primata no seu machismo covarde
Quando você vê na rua uma mulher com o olho roxo
Tenha certeza que ela é a mulher de um frouxo
Um Zé Ruela que com ela é agressivo, sem diálogo
Trata como égua porque é um cavalo
O autoritário da família, não tem autoridade além da força bruta
Bate no filho e na filha porque é um...

Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da puta
Filha da puta filha da puta filha da...

08 julho, 2007

Thunder Road - Bruce Springsteen

The screendoor slams, Mary's dress waves Like a vision she dances across the porch As the radio plays Roy Orbison singin' for the lonely Hey that's me and I want you only Don't turn me home again I just can't face myself alone again Don't run back inside, darlin' you know just what I'm here for So you're scared and you're thinkin' that maybe we ain't thatyoung anymore Show a little faith, there's magic in the night You ain't a beauty, but hey, you're all right Oh, and that's all right with me You can hide 'neath your covers and study your pain Make crosses from your lovers, throw roses in the rain Waste your summer prayin' in vain for a savior to ride from these streets Well now I'm no hero, that's understood All the redemption I can offer girl is beneath this dirty hood With a chance to make it good somehow Hey what else could we do now Except roll down the window and let the wind blow back yourhair Well the night's bustin' open, these two lanes will take usany where We got one last chance to make it real To trade in these wings on some wheels Climb in back heaven's waitin' down on the tracks Oh, oh come take my hand We're ridin' out tonight to case the promised land Oh, oh thunder road Oh, thunder road Oh, thunder road Lyin' out there like a killer in the sun Hey I know it's late, we can make it if we run Oh, oh thunder road Sit tight, take hold Thunder road Well I got this guitar and I've learned how to make it talk And my car's out back if you're ready to take that long walk From the front porch to my front seat The door's open but the ride ain't free And I know you're hungry for words that I ain't spoke But tonight we'll be free, all the promises l'l be broken There were ghosts in the eyes of all the boys you sent away They haunt this dusty beach road in the skeleton frames ofburned-out Chevrolets They scream your name at night in the streets Your graduation gown lies in rags at their feet And in the lonely cool before dawn You hear their engines roarin' on But when you get to the front porch, they're gone On the wind.
So Mary climb in. It's a town full of losers and I'm pullin' outta here to win!!

06 julho, 2007

Sopro de renovação

De banho tomado, depois de um estressante dia de trabalho que culminou no êxtase de dizer tudo o que havia 'entalado na goela', e praticamente tudo organizado para ir ao encontro do meu anjo, decido-me por uma olhadela na internet enquanto System of a Down tocava no PC; mais que ligeiro entrei no blog do meu amor, na esperança de ler algo novo, algo sobre nós, histórias de bravura, dragões, castelos, vales encantados e bosques de coníferas "verde-perfeição"(?). Mas não, não havia nada nosso, nada sobre nós, nada sobre nossos dias nem sequer uma comemoraçãozinha acerca dos 5 meses de namoro...

Pois bem; de "orelhinhas caídas" e sorriso faltoso prostrei-me diante do monitor para ler seus relatos. À medida que as frases terminavam, as letras se esvaíam e as palavras dançavam, dando tons coloridos a tudo ao redor, fui sendo invadido (ui!) por uma alegria sem tamanho, por uma satisfação desmedida e benéfica que pulsava no ritmo da minha pulsação. As palavras desta mulher que hoje amo como se a conhecesse à decadas "soaram como canção aos meus olhos" (o.O) e, a cada quebra-de-linha fui tendo mais certeza de que agora, de uma vez por todas, meu anjinho lindo conseguirá crescer o tanto que lhe é permitido. E não há limitações para seu crescimento.
O entendimento do "ligue o foda-se e seja feliz" é importante para os dias de hoje, para se viver em harmonia consigo mesmo, uma vez que a harmonia com terceiros é cada vez mais utopia que realidade. Afinal, os cães ladram e a caravana passa.

É preciso viver a nossa vida e deixar a hipocrisia, a mediocridade, os discursos arcaicos e obsoletos para trás; acompanhar o andar trôpego destes vermes só nos fará caminhar ao ostracismo. E uma vez mais é importante dizer: não é rolando na lama que nos limparemos.

É isso aí, amor!! É por ser dona desta força descomunal que lhe admiro mais e mais a cada instante que passo pensando em você.

03 julho, 2007

5 meses






Hoje é um dia muito especial. Hoje é um dia muito mais que especial, hoje é o dia em que completamos, eu e Sheila, 5 meses de namoro. Boas histórias para contar... não irei me ater em nenhuma delas.
O que me cabe dizer neste momento é que ela, tão linda, alegra meus dias, é presença confirmadíssima em minha mente quando tento definir 'pessoa fantástica'. Sheila, e toda sua bagagem intelectual, não faz feio nem pose e se derrete nas brincadeiras mais banais e divertidas que um casal pode fazer entre sí, e com demais. Este anjo que se faz presente em minha companhia é tudo o que um homem pode querer para a vida...linda, inteligentíssima, atenciosa, carinhosa, quente! Oh my god... very, very hot!!
Hoje é um dia muito especial, é um marco, uma conquista, uma prova que o amor, quando verdadeiro, resiste às tempestades da existência coletiva e firma-se, forte e duradouro, formando grande pilar de sustentação para os sonhos virarem realidade.
5 meses, e eu amo a Sheila Campos. Amo demais!!
E que venha o polaquinho... \o/



01 julho, 2007

Mais do mesmo...




ROCK BRASILEIRO RENATO RUSSO

Por: Maria Helena Passos Revista Marie Claire - Maio de 1995


Em nova fase de vida, Renato Russo, aos 34 anos, se recupera de um profundo mergulho no álcool e nas drogas e de uma arrebatadora paixão, enquanto confecciona o próximo disco da legião Urbana e planeja a melhor maneira de educar seu filho, Giuliano de cinco anos.
O roqueiro que em 1982 criou a mais potente banda de rock nativo, em pleno Planalto Central na ‚época da redemocratização do país, levou dois anos para aportar nas gravadoras e ingressar no show business. Desde então não parou mais. Seu maior sucesso veio em 1986, com "Eduardo e Mônica", do LP "DOIS", recordista de vendas entre os sete produzidos pela banda, com 800 mil cópias. Até hoje, o legião contabiliza 3,5 milhões de discos no mercado.
E quando ninguém‚m mais esperava surpresas, Renato Russo d nova volta no parafuso e se lança em carreira solo, interpretando canções de amor em inglês, em disco feito para a Ação da Cidadania contra a Mis‚ria e pela Vida. Inspirado em sua experiência homossexual, opção que tornou pública em 1988, batizou seu último trabalho de The Stonewall Celebration Concert, em homenagem aos gays nova-iorquinos (lembrando o nome do reduto gay do Greenwich Village, que ficou famoso em 1969 quando homossexuais enfrentaram por três dias a polícia que ameaçava invadir o local).
Em seu discreto apartamento em Ipanema, lugar nobre da Zona Sul carioca, cuja aquisição‚ motivo de orgulho para quem sempre quis subir na vida trabalhando, ele conta, com cativante sinceridade, sua rica e acidentada trajetória de vida roqueira para Marie Claire.



Marie Claire - Como foi que a música entrou na sua vida ?


Renato Russo - Me contam que aos dois anos de idade eu j punha o disco do Frank Sinatra de volta na capa certa. Quando chegou a adolescência, meu sonho era formar uma banda. Minha família ‚ muito musical. É coisa de gente que tinha piano na sala. Tanto do lado do meu pai, que ‚ paranaense, quanto do lado da minha mãe, que ‚ pernambucana.


MC - Quem são seus pais ?


Renato Russo - Meu pai ‚ neto de dois imigrantes italianos, primo de segundo grau de minha mãe e primo-irmão de minha avó. Ele ‚ economista, esta aposentado e tem 70 anos. Minha mãe era professora, mas, quando se casou, parou de trabalhar. Meu pai veio para o Rio para trabalhar no Banco do Brasil e inaugurou a geração classe m‚dia urbana da família, que antes, plantava mate no Paraná. E tome Banco do Brasil, muito Banco do Brasil...


MC - então o roqueiro de "Que País é Este ?"‚ um legítimo filho de funcionário público ?


Renato Russo - É , com certeza. Se bem que funcionário rio do Banco do Brasil não se considera funcionário público, você sabe ...


MC - É elite.
Renato Russo - É. Isso influenciou muito minha vida. Hoje, não sei ... Mas eu sempre tive muita estabilidade na vida por causa do banco. Mesmo na ‚época da revolução. Meus amigos contam outro tipo de história. Para a gente, era assim: o Brasil está indo para a frente e nós estamos indo junto, entende ? Eu nunca soube de nada das coisas que aconteciam, Achava o Médici o maior presidente do mundo.


MC - Você nasceu no Rio mesmo ?


Renato Russo - Eu era de classe m‚dia-m‚dia suburbana, da Ilha do Governador. Vivi l até‚ 1967. então mudamos para Nova York, onde vivi dos sete aos dez anos. Ficamos mais três anos no Rio e fomos para Brasília, quando eu tinha 13 anos. Nunca me faltou nada. Nada mesmo. Meus pais são maravilhosos, estão juntos até‚ hoje. Tive muito problema com isso porque me senti culpado, durante a adolescência. Por não corresponder …s expectativas deles, de uma vida bem comportada. Eles são supersimp ticos, inteligentes, Têm um casamento de sonhos, maravilhoso e tal. Para mim, tudo isso era um carma, entendeu ? Eu era e ainda sou um pouco terrível.


MC -Como foi virar gente em Brasília ?


Renato Russo - Bem, eu não sei se virei gente ainda ... Vivi em Brasília dos 13 aos 23 anos, e ali, depois de algum tempo, meu mundo da infância que era muito seguro, começou a mudar. Mas se entrar aqui o Júnior (uma auto referência), com oito anos de idade, ‚ a mesma pessoa. Talvez eu estranhe se entrar o Júnior com 16, 18 anos de idade. Mas os valores são os mesmos.


MC - Por que você se estranharia com 16, 17 anos ?


Renato Russo - Porque eu era muito confuso. Foi uma fase que durou muito tempo até‚ o comecinho da legião Urbana. Eu me perdi. Eu tinha uma vida de sonho. Aos 17 anos acabou, sabe ? Fui para o mundo. Surgiram aquelas confusões sexuais da adolescência e dúvidas.


MC - Qual foi o seu primeiro trabalho ?


Renato Russo - Foi na Cultura Inglesa, em Brasília, como monitor. Depois, virei professor. Tinha 15 anos, idade e, que vi meu primeiro show de rock, da Rita Lee, no gin sio do Col‚gio Marista. Fiquei emocionado. Mas não pude ir ao segundo.


MC - Por quê ?


Renato Russo - Porque um resultado m‚dico mudou minha vida. Estava com epifisióise, doença que destrói a extremidade dos ossos. Minha perna estava pendurada só pela pele, entre o fêmur e a bacia. Meu mundo acabou. Fui operado e fui vítima de erros m‚dicos. O cara colocou o pino dentro do nervo. Contra‡äes involunt rias me faziam gritar de dor. Fiz outras operações. Perdi dois anos de vida com medo de sentir dor, isolado, fora de tudo.


MC - Como você voltou ao mundo depois de dois anos entre a cama e a cadeira de rodas ?
Renato Russo - Quando voltei para o col‚gio, aos 17 anos, era um menino diferente. Distante.


MC - Distante por quê ?


Renato Russo - Porque fiquei de fora. Observava tudo com olhar de estrangeiro.

MC - Quem são o Eduardo e Mônica da música?


Renato Russo - Acabei me aproximando, graças a música, de um tal Fernando, que tinha chegado de Paris com uma grande colégio de discos - Traffic, Eric Clapton, tudo. Morava sozinho e namorava uma menina com filhos, a L‚o. Isso era 77,78. É ela a Mônica da música e eu sou o Eduardo, só que menos bobo.


MC - Menos bobo ?


Renato Russo - É, eu lia, não era aquela coisa clube-e-televisão da letra. Teve uma ‚época que eu trabalhava num jornal, na Cultura Inglesa e fazia faculdade. Sei que quando o Sid Vicious, do Sex Pistols, morreu, tomei o primeiro porre da minha vida. E a partir da¡ comecei a usar muitas drogas.


MC - Só a partir daí ?


Renato Russo - É, quer dizer...eu j usava, mas era de fim de semana. At‚ essa ‚época era s¢ bagulhinho e álcool. A cannabis (maconha), você sabe, afeta a memória, mas acho que já tínhamos formado o Aborto El‚trico.


MC - Ah! Sua primeira banda punk.


Renato Russo- É. Ensaio todo o fim de semana. Nessa fase explodiu tudo o que eu não vivi nos dois anos em que eu fiquei de cama. Apareceu uma nova geração no rock que dizia: "Você não precisa estudar música para fazer rock'n'roll. Você pode pegar uma guitarra e fazer". Eram os punks. Nossos padrinhos foram os Paralamas do Sucesso.


MC - E o que mais o fascinava nisso tudo ?


Renato Russo - Ter encontrado um jeito de ter poder. É divertido.


MC - Como foi enfrentar o mundo machista do rock para você que é homossexual ?


Renato Russo - O mundo do rock não ‚ bem assim. Ele ‚ misógino. O que vale nesse mundo não ‚ saber se você ‚ gay ou não. É saber quem ‚ mais louco, quem vende mais disco, quem ganha mais dinheiro. Era aquela coisa de querer se mostrar, do exibicionismo, da vaidade mesmo. De se transformar em ¡dolo.


MC - Para o legião, política e injustiça social sempre vêm antes do conflito de gerações...


Renato Russo - O legião chamou muita atenção porque surgiu no período da abertura, da redemocratização. Mas, basicamente, o que escrevemos são canções de amor. Uma coisa talvez até‚ adolescente demais. At‚ pelo meu histórico familiar, eu preservo a família. Falo mal ‚ das instituições. Eu j fiz esta de ouvir abaixo e tomei v rias atitudes rebeldes, mas dou muito valor a família. Porque ela que me segura.


MC - A geração mais nova ‚ diferente da sua ?
Renato Russo - É. São menos agressivos. É uma geração mais passiva. J estão acostumados … violência. Têm Netuno em Sagit rio e não escorpião, como minha geração, que lida com o instinto de morte, e ‚ mais louca, exibicionista, cheia de altos e baixos. Essa geração atual ‚ mais do "vamos com calma para ver o que vai acontecer".


MC - Você ‚ de esquerda ?


Renato Russo - Sou anarquista e individualista. Tenho uma visão po‚tica, mas não me considero poeta. Procuro o belo.


MC - A geração atual ‚ mais alienada que a sua ?


Renato Russo - NÃo. O que existe hoje ‚ consumismo desenfreado. É a TV dizendo qual o seu sonho de consumo. Isso existe h d‚cadas, mas não como hoje. Tanto que agora existe uma discussão ‚tica sobre valores ‚ticos no país e não se chega a conclusão nenhuma. As pessoas perderam o sotaque e Maceió ‚ igual a Porto Alegre. Uma pasteurização que o fascismo usa muito bem.


MC - Seu disco foi feito para a campanha contra a fome do Betinho. Quanto você doou do seus direitos ?


Renato Russo - Cinqüenta por cento.


MC - Com esse disco, você assume a bandeira do homossexualismo e deflagra uma carreira solo. Vai seguir por a¡ ?


Renato Russo - O legião Urbana continua. são coisas distintas e por isso as músicas do disco solo são "covers" (regravações de sucessos) em inglês.


MC - Primeiro emprego aos 15, primeira banda aos 17. E o primeiro namoro ?


Renato Russo - Nunca tive, na verdade. A não ser a Lu¡za, quando eu tinha 11 para 12 anos, na Ilha do Governador. Mas não era uma coisa de namoro exatamente, era de troca. Porque eu era gay. Eu sou gay, entendeu ?


MC - Você já se reconhecia como gay ?


Renato Russo - Eu sabia que era desde os quatro anos de idade. Quer dizer, eu não sabia que era gay-gay! Eu tinha uma afeição muito grande pelas meninas, mas não pensava nelas em termos sexuais, de posse. Não precisava de proximidade física, beijo ou sacanagem. A gente pegava o disco do irmão mais velho da Lu¡za e ficava ouvindo Cat Stevens e James Taylor, sabe ?


MC - Você nunca sentiu atração sexual por mulher ?


Renato Russo- Não. Absolutamente. Aos quatro anos, eu não brincava de m‚dico com meninas. Para mim, isso não tinha graça nenhuma. Eu sabia que sexo era proibido. Sou de família católica, italiana. Sabia que tinha as brincadeiras com as meninas, mas eu queria ver como eram os "peruzinhos" dos meninos.


MC - A repressão influenciou sua opção sexual ?


Renato Russo - Não. O ato sexual não tem nada a ver com a sua opção. Tanto ‚ que eu tive um filho e namorei mulheres. Eu não quero citar nomes, mas tive um caso tórrido com uma atriz de cinema e TV. Tem homem que tem uma dificuldade brutal. Comigo não, eu me excito.


MC - Seus maiores amores foram homens, ou mulheres ?


Renato Russo - Ambos. Uma coisa eu posso dizer: todas as mulheres que já se apaixonaram por mim são hoje minhas melhores amigas. Eu me apaixonava, mas não carnalmente. Gostava, achava divertido e tudo, mas pensava: "Não‚ isso que eu quero, esta faltando alguma coisa". Por muito tempo busquei relacionamentos com mulheres para provar que eu era homem.


MC - Até quando durou isso ?


Renato Russo - At‚ hoje. Porque eu amo as mulheres. Espero que ela não fique chateada, uma mulher casada...mas a Carla Camurati, eu encontrei na casa de um amigo. Ela ‚ linda. Meu tipo. Fiquei babando. Pensei: "Gente do c‚u, ‚ a mulher da minha vida". Mas eu sei que não ‚ por a¡. Porque a gente pode estar junto e compartilhar tudo, mas de repente, passa um bofe bonito...Sabe, eu tenho tara por bunda cabeluda, por p‚, por falo, pelo torso masculino, ela coisa da barba. O que me atrai na mulher ‚ a essência da mulher. Não o corpo. No homem, a essência se traduz no corpo. Tamb‚m acho que nunca vou satisfazer a mulher completamente. Sou o bofe por excelência. Sou macho, minha filha... Me sinto muito mais a vontade em uma relação com outro homem. Homem não pode fingir. Ou esta de pau duro ou não esta . Eu entendo o que o outro cara pensa, conheço o cheiro, conheço o toque. Com a mulher, eu me sinto desonesto. E elas se entregam tanto que eu me sinto tão pequeno...E não ‚ a l"raburra que se apaixona por mim. Era a (escritora) Marina Colassanti, mulheres casadas...


MC - At‚ hoje isso acontece ?


Renato Russo- Hoje eu j sei que sexo não ‚ tudo e que a amizade ‚ tão importante quanto. Como dizia a Denise (Bandeira), "a gente vira amante cósmico". Sabe, eu não sou monogâmico ...


MC - Qual foi o seu primeiro caso homossexual ?


Renato Russo - Aos nove anos. Foi um escândalo na família. Foi com o meu primo. O engraçado ‚ que eu sempre gostei de homem bonito, e ele era lindo. Eu era o inteligente, com idéias maravilhosas, e ele era o atleta, o Adonis, o Davi de Michelangelo, que até‚ hoje tem problemas de dependência química mas ainda assim não conseguiu ficar feio. Até os 13 anos, tivemos uma amizade absurda, depois ele seguiu o caminho dele e eu continuei perdidamente apaixonado.


MC - Como o Stonewall Celebration foi concebido ?


Renato Russo- Nele tem músicas que lembram o que passei. Como "The Ballad Of The Sad Young Man", que toca no problema da dependência química, de se pertencer a uma minoria. Mas o que existe no disco não ‚ o problema gay.  todo o espírito humano. Eu estou cantando para um outro cara, mas são canções de amor.


MC - Você se inspirou no seu último grande amor ?


Renato Russo - É. O Robert Scott Hickmon. Foi ele que pintou essas paredes (do apartamento onde mora). Vivemos juntos aqui. Ele era gay de carteirinha. Morava na Market Street, em San Francisco. L , o padeiro, o açogueiro, o dentista, todos são gays. Eu o conheci em 1989, lixeiro, com uma mochila nas costas, numa atitude de coitadinho. Ele veio comigo para o Brasil em 1990, voltou para l e retornou para vivemos juntos. Mas a¡, você sabe, todo gay ‚ macho. Ele achou que podia passar por heterossexual.


MC - No Rio, ele resolver passar por hetero de repente ?


Renato Russo- Bem, ele era white trash: branco, pobre, filho de mãe alcoólatra, pai que espancava, tudo de pior...E, de repente, achamos que um podia ajudar o outro. Nos apaixonamos. O plano era ele me dar forças para que eu parasse de beber. Eu e daria força para ele para de tomar speed (anfetamina).


MC - E vocês pararam ?


Renato Russo - Eu s¢ parei na segunda vez que ele veio porque peguei hepatite. Quase morri. Ele era o atleta, o belo, o pr tico, consertava coisas. Aquela mesma coisa do Z‚ Eduardo (o primo). E eu era o cara dos livros. O Scott era um disl‚xico problem tico, lindo, louro..."Que maravilha", eu pensei "que coisa romântica". Mas ambos tínhamos coisas muito mal resolvidas. Fizemos terapia de casal. Não funcionou porque ele tinha uma culpa enorme quando chegou ao Brasil.


MC - Culpa por ser gay ?


Renato Russo - Ele se achava um cidadão de segunda classe por ser semi-analfabeto, ter um histórico de criança de reformatório, de orfanato que, bonita sempre encontrava homens maravilhosos para tomar conta. No gueto, o problema dele não aparecia. Aqui, foi bem aceito pelos meus amigos, que me respeitam. Nas, de repente, aflorou o lado macho e ele passou a sofrer por não ter emprego, não conseguir trabalho. Foi em 1990, o Collor tinha roubado o dinheiro de todo o mundo. E ele tinha que me pedir dinheiro. A¡ tentou provar a masculinidade transando mulher. Como a gente estava nessa de liberar o corpo, achei que tudo bem. A gente não estava casado e queríamos fugir desse modelo hetero de ficar preso. Eu tenho um filho, imagine! Cada um com sua vida, mas degringolou.


MC - Transar mulher ‚ libe para o quê ?


Renato Russo- Ele me disse que, mesmo se atração, transar com mulher lhe dava sensação de força. Era mais f cil para ele ser hetero e batalhar a vida do que tentar ser gay e digno. Voltou para os Estados Unidos e nunca mais o vi.


MC - Você chegou a fazer o teste de Aids ?


Renato Russo - Não falo sobre isso. D medo, ‚ uma coisa terrível. Faço parte de uma geração que foi pega no meio do caminho. Tive que erotizar o uso da camisinha. senão, na hora de procurar por ela, você j broxou. Para não us -la, o pessoal começou a fazer mais sexo sem penetração, achando que não pega Aids. Virou tudo filme de gay, sabe ? Aquela coisa de gozar fora. Mas eu não preciso dessa coisa de teste e quando eu fiz foi...


MC - Um alívio ?


Renato Russo - Foi horrível esperar o resultado. Faço check-up todo ano e descobri que estava com hepatite B. Os m‚dicos me pediram para fazer teste de Aids. Fiz três exames até‚ ter certeza do resultado, que deu positivo no primeiro exame e foi um horror... Você tem que falar com seus amigos e todos tiveram que fazer teste de Aids. A¡ fiz outro (Western Blot, exame mais caro e mais preciso). Repeti mais uma vez durante o tratamento da hepatite. E esses dois deram resultado negativo. O m‚dico me disse que até‚ segunda ordem eu sou soronegativo. Mas ajo como se fosse soropositivo. Sexo seguro total. J passei por tanta coisa... E sempre maltratei muito meu organismo. Você sabe, não ‚ legal falar isso, mas quem ‚ realmente saud vel tem menos possibilidade de contrair Aids. Não faço as mais loucuras que fazia antigamente. E tem certas coisas que caem na rea da dúvida, como sexo oral, por exemplo...


MC - Depois que o Scott se foi, você começou a usar heroína ?


Renato Russo - Ele ainda estava aqui. De tudo que usei, o pior foi o álcool e tranqüilizantes. Heroína foi horroroso, mas s¢ um mês e meio. No final de julho de 1990 ele viajou e eu continuei. Uma coisa meio junkie mesmo...Depois decidimos que ele voltaria e a gente iria se cuidar. Bem, não posso dizer que foi ruim. Na verdade, foi péssimo.


MC - Como assim ?


Renato Russo - É, porque, a gente usava heroína para ficar namorando. Ele conheceu um "rajneesh" (seguidor de Osho, como ‚ atualmente conhecido o guru indiano) na praia, que tinha a droga. No Rio, heroína não existe. Eu nunca tinha experimentado. Foi aquela coisa... Um glamour muito grande. O Scott j tinha experimentado tudo. Pegamos leve, não us vamos agulha nem nada. Era s¢ fazer uma cabeçinha de palito de fósforo assim... E o mundo fica maravilhoso por oito horas. Em termos de dependência física, ‚ a pior droga. Tudo que‚ droga ‚ ruim.


MC - Embora, na hora, você ache bom ?


Renato Russo - não ‚ achar bom. Sempre tinha um motivo: solidão, veia autodestrutiva, varar a noite trabalhando...


MC - Como você parou com a heroína ?


Renato Russo - É horrível parar. Dá uma agonia... Se você esta sentado, quer ficar de pé; se esta em pé, quer ficar sentado. Dá vontade de sair da pele, um enorme vazio. Na primeira vez, fui até‚ onde dava e me enchi de Valium (tranqüilizante) e rem‚dio para dormir. Acordei maravilhoso e, de novo, me droguei. Mas, da segunda vez, foi brabo. Chamei umas amigas para o Marina Hotel, onde morei muito tempo. não adiantava rezar, tomar banho de sal grosso, nada. Era deitar e esperar.


MC - Você chegou a pensar em suicídio ?


Renato Russo - não, mas já pensei nisso. não de levar …às últimas conseqüências, mas...


MC - Dizem que você declarou em um show que chegou a tentar cortar os pulsos por causa de uma menina.


Renato Russo - não, isso não tem nada a ver.


MC - então você falou de bobeira ? Foi uma invenção ?


Renato Russo - Show ‚ show, n‚ ? Isso deve ter sido uma introdução a "Ainda é Cedo" (do primeiro LP, legião Urbana). É recurso dram tico. Mas não aconteceu, não. Eu tive um pequeno acidente, mas não foi por querer me matar nem nada. Eu s¢ queria ver como ‚ que era. Uma coisa de louco. S¢ que me deu o maior susto.


MC - Foi em Brasília ?


Renato Russo - Foi. Eu tinha 20 e poucos anos. Coisa de bêbado. Eu estava l entediado, cismado que queria ser artista pl stico. Comprei uns guaches e ficava meus desenhos e aquarelas. Comecei, de repente, a diluir tinta em urina. Me cortava e desenhava com sangue, todo fora de controle, coisa de irresponsável...


MC - E como você se safou disso ?


Renato Russo- Fiz uma operação da qual ainda tenho marcas.


MC - E não era uma coisa de querer liquidar com a vida ?


Renato Russo - não, imagina... Claro que não.


MC - Desde quando você parou com as drogas ?


Renato Russo - Desde 3 de abril de 1993, logo após meu aniversário. A reprogramação de vida que faço desde então ‚ definitiva. Para valer. Você percebe que a dependência química ‚ uma doença crônica, prim ria, progressiva e fatal. Eu não sou sem-vergonha, louco, nem depressivo, nem melancólico. Sou dependente químico. Interessante ‚ que por tr s de todo dependente esta sempre um perfil psicológico sensível e inteligente. são todos compulsivos.


MC - É o seu caso ?


Renato Russo - Compulsivo total. Fiquei internado um mês em Vila Serena (clínica em são Paulo), um lugar para recuperação de dependentes químicos. Parei de beber, de usar tudo. Aprendi a parar de andar com quem usa e a não ter droga em casa. A evitar o local da ativa. não passo em bar nem prá comprar cigarro.


MC - Sua vida mudou muito, então ? E os amigos ?


Renato Russo - Em termos. Sou o mesmo, mas não estou com duas doses de Cointreau nem tomei Lexotan h 15 minutos. Quanto aos amigos, não eram verdadeiros. Cheguei a um ponto que, se eu não parasse, morria.


MC - Como foi parar abruptamente com tudo ?


Renato Russo - Fiquei com o corpo todo empelotado, mas isso foi tudo. Imediatamente passei a me alimentar muito bem, tomar rem‚dios homeop ticos e muita vitamina. Acordava …s 6 horas, com um sino, para fazer exercícios. Fazia terapia de grupo. Durante um mês e meio, tive que lembrar e escrever dez coisas que fiz por causa do álcool e me deram vergonha ou me afastaram de quem eu amava.


MC - Como certas atitudes públicas suas...


Renato Russo - A última coisa que eu deixei abalar foi o meu trabalho. Foram s¢ duas ou três brigas públicas, coisa de bêbado chato. Em casa, era muito pior. Eu ficava dias e dias com cinco, seis meninos aqui dentro. Coisa típica de decadência gay absoluta... não acreditava em nada, tinha uma autopiedade extrema. Em Vila Serena, eles tentam resgatar sua espiritualidade.


MC - Você acredita em Deus ?


Renato Russo - Sou católico apostólico romano. Acredito em um poder superior. Ontem mesmo, fiquei deprimido por causa de nossa conversa. De falar no Scott, da minha culpa em relação aos meus pais. Confuso por ter visto meu filho. Culpado por meus pais serem tão maravilhosos. Tive que trabalhar a noite inteira para esquecer isso. O que me salva ? É saber que existem coisas al‚m da minha compreensão e que eu não sou o dono do mundo.


MC - Quantos anos tem seu filho ?


Renato Russo - Esta com cinco, mas tem tamanho de oito. Fico preocupado porque estou me recuperando e não posso educ -lo. Mora com os avós em Brasília. Ontem eu estive perto de definir o que sinto. Sinto que não estou … altura de retribuir as coisas boas que recebo.


MC - E de onde você tira essa idéia ?


Renato Russo - Das minhas sensações. Esta ligado ao meu histórico, … minha sexualidade. É como se eu fosse um modelo de luxo como qual você tem que tomar muito cuidado.


MC - Quem‚ a mãe do seu filho ?


Renato Russo - Ah, sobre isso eu não falo.


MC - Por quê ?


Renato Russo - Porque ‚ supercomplicado. Só posso dizer que‚ uma menina que eu devo ter visto duas ou três vezes na vida. Aconteceu em são Paulo.


MC - Onde ela vive hoje ?


Renato Russo - Ela morreu em um acidente de automóvel quando eu estava em Nova York. Eu não falo sobre esse assunto.


MC - Dói muito ?


Renato Russo - não ‚ que seja dolorido, ‚ porque eu não sinto absolutamente nada. É como se eu estivesse bloqueado, horrível.


MC - Você assumiu a paternidade, o que já é um dado importante...


Renato Russo - Na verdade, eu não teria muito outra opção. Pelo modo como as coisas se passaram. Eu não ia estragar a vida de uma menina tão jovem, entendeu ?


MC - E como ‚ sua relação com o Giuliano ?


Renato Russo - É complicada, uma coisa que eu não resolvo e empurro com a barriga. Ele s¢ viveu comigo na Ilha do Governador, pequenininho. Depois, foi viver meus pais. O Guiliano nasceu em 1989, a¡ fui para Nova York, inventei que ia ter um grande caso de amor gay da minha vida. Uma coisa louca. Fiquei muito mal. Como vou falar para o Giuliano que sou roqueiro e gay, entende ?


MC - Em relação ao Giuliano você também tem bloqueio emocional ?


Renato Russo - não. O que acontece ‚ medo porque eu o adoro demais. Talvez isso se dilua se morarmos juntos. Toda a vez que eu o vejo, d uma vontade de agarrá-lo e dizer: "Giuliano, vai dar tudo certo. Pronto. Fica aqui comigo". Mas, então, o que eu vou falar ? O que eu vou fazer ? Ele ‚ uma pessoa e não um bibel". Tenho que ter essa relação normal com ele. Essa euforia, essa felicidade exagerada, essa emoção que ou você não sabe o que fazer porque esta tão deprimido ou porque esta tão contente, eu pensei que não ia mais sentir desde que eu abandonei o alcoolismo. Porque eu bebia para sentir mais, entendeu ?


MC - Como‚ a relação entre vocês ?


Renato Russo - Ele ‚ muito diferente de mim. Acho-o um pouquinho folgado. Ele ‚ bem "bofinho", do tipo que tira a camisa, enrola na cintura e diz: "Vamos jogar bola ?" Eu não era assim. J tem namorada, imagina...Ontem, quando eu o vi, ele disse: "Pai, j acendeu de novo o cigarro ?" Desta vez, fiquei quatro meses sem vê-lo. Joguei o cigarro em um canteirinho e ele disse: "Pai, não pode jogar o cigarro na plantinha". não gostei. Como vou lidar com isso ? É uma relação pai-e-filho, mas não ‚. É como se eu fosse o irmão mais velho, porque ele chama a minha mãe de mãe. Eu pergunto: "Cadê sua avó ?" E ele grita: "Manhê". É muito complicado. Mas ‚ uma dúdiva e nada acontece por acaso. A vida não ‚ fácil, mas ainda vamos resolver tudo.


copyright (c) 1999-2000 urbana web site